Para sossego dos escritores ansiosos... ou talvez não

16 setembro 2005

Este post é para sossego dos autores ansiosos (ou talvez não), mas isso é só lá mais para a frente. Por agora, no princípio, é o ponto da situação habitual.

Continuou a crescer o número de submissões, claro, tendo esta semana atingido as 42, que correspondem a mais de 240 mil palavras e quase 760 páginas. Isto tudo fruto da produção e criatividade (umas vezes mais, outras vezes menos) de 24 autores. Continuámos também a tomar decisões, e subiram para 8 os projectos que, por um motivo ou por outro, foram retirados da selecção, mas mesmo assim ainda são mais de 680 páginas por triar. Muitos mais contos serão excluídos, inevitavelmente, mas a esse assunto regressarei mais à frente.

Por géneros (e integrando a tal viagem no tempo mágica, que criou alguma confusão, no grupo das fantasias, fazendo o mesmo à fantasia arturiana), temos agora:

- Ficção científica: 20 (19)
- Terror/Horror: 8 (6)
- Fantasia: 7 (5)
- História alternativa: 2 (1)
- Mainstream: 2 (1)
- Surrealismo: 2 (1)
- Fantástico: 1 (1)

Continua a FC a dominar quase absolutamente, mas pelo menos a fantasia deixou de ser residual, o que é um progresso. E de ponto de situação, estamos conversados.

Ora bem, vamos lá então falar de rejeições. Como foi dito pouco depois do arranque deste blog, nós informamos os autores da não aceitação dos seus trabalhos muito antes de os informarmos sobre a aceitação dos que forem seleccionados. O motivo é simples: uma vez que não sabemos ainda o que nos poderá chegar até serem encerradas as submissões, não podemos estar a tomar decisões definitivas quanto a contos que eventualmente iriam fazer parte da antologia. Será pouco provável, mas é possível que na última semana nos chegue um livro inteiro de trabalhos fora de série, e certamente não vamos dizer que aceitamos um trabalho para o recusarmos mais à frente. Isso seria uma imensa falta de respeito pelos autores. Não que não tenhamos já um conjunto de histórias que pensamos que irão fazer parte da antologia, porque temos. Mas não podemos ainda tomar essa decisão, e muito menos informar dela os autores.

Ou seja, por agora todos os autores que recebam mensagens nossas têm a certeza de que ou se trata da mensagem habitual que dá conta da recepção do trabalho, ou então é uma mensagem de rejeição. O silêncio é bom sinal. Compreendemos a ansiedade e a impaciência mas, como em tantas coisas na vida, nenhumas notícias são boas notícias.

Além disso, os autores que nos remetam mais do que dois contos irão certamente receber pelo menos uma mensagem de rejeição, mais cedo ou mais tarde, e o mais provável é que recebam duas ou mais. Como afirmámos no início, só em casos especiais aceitaremos duas histórias do mesmo autor (salvo se se tratar de colaborações). Ou seja: se alguém nos remete seis histórias, irá de certeza receber quatro ou cinco rejeições antes de receber uma boa notícia. Se chegar a receber a boa notícia.

Por fim, caso estejam curiosos, a ordem das rejeições corresponde à ordem por que tomamos as decisões. Tem a ver em parte com uma avaliação da adequação dos trabalhos ao que pretendemos, e em parte com a ordem (ou desordem) e a rapidez (ou lentidão) com que lemos as submissões. Isto é, um trabalho pode ser excluído primeiro que outro simplesmente porque foi lido por ambos os editores primeiro que o outro, mas também pode acontecer que o segundo tenha permanecido no processo depois de ser avaliado por mim e pelo Luís até que, com a continuação das leituras, chegamos à conclusão de que outros trabalhos se encaixam melhor na antologia do que esse e o excluímos também.

2 comentários:

JV disse...

O prazo sempre termina a 30 de Setembro?

Jorge disse...

Até notícias em contrário, sim.