O Papel das Colecções

29 outubro 2007

Uma antevisão do prefácio:

«(...) Em 1961 surgia, no Brasil, a primeira antologia de ficção científica que recolhia os autores promovidos por Dorea, e sete anos mais tarde, em Portugal, Lima Rodrigues, em colaboração (involuntária?) com Robert Silverberg, editaria Terrestres e Estranhos, na qual se encontram contos fantásticos de Natália Correia, Dórdio Guimarães, Fernando Saldanha, Hélia, Luís Campos, Lima Rodrigues e Manuela Montenegro, a par com autores norte-americanos.

Já na década de 70, Natália Correia voltaria a incorporar a antologia (em dois volumes) Alguns dos Melhores Contos de Ficção Científica, editada por Romeu de Melo, onde também constava uma das colaborações deste.

Natália Correia, Romeu de Melo, Mário Henrique-Leiria (principalmente com os seus Casos de Direito Galáctico), Isabel Meireles (editora e tradutora de uma antologia de autores franceses de ficção científica), fariam parte de uma geração que, nas décadas de 60 e 70 procurou acentuar a chama do género, produzindo um conjunto de obras, essencialmente a nível do conto. Embora hoje estejam completamente ausentes das livrarias e da memória, no caso particular de Romeu de Melo, a sua obra destacou-se e foi alvo de estudo por parte de um catedrático americano («Doomsday, Flying Saucers, and the Golden Age in Six Stories by Romeu de Melo», por Timothy Brown, Jr.). Em paralelo, Roussado Pinto, Luis de Campos e outros, constituiam um grupo mais dedicado ao policial e à banda desenhada, mas cujas afinidades com o género, seguindo as pisadas da geração da revista Repórter X (onde se destacavam o editor Reinaldo Ferreira e Mário Domingues), não deixavam de existir.

E contudo, não é justo atribuir a estas gerações que trabalhavam na sombra e contra as opiniões de uma inteligentsia sobranceira (algo que é eterno e comum a qualquer das gerações de autores de literaturas alternativas), a grande responsabilidade por mais uma quebra da continuidade. Os editores tiveram também aqui um quinhão importante. Ou antes: a ausência de editores.


Porque, se no Brasil, [Gumercindo Rocha] Dorea criara um espaço para desenvolvimento de projectos literários, e em Espanha, [Domingo] Santos seguia-lhe as pisadas, em Portugal, onde a colecção Argonauta teria início coincidente com essas duas iniciativas e igual finalidade, o acolhimento de obras nacionais foi nulo — e mantém-se até hoje, numa época em que a colecção estrebucha num estertor de morte. Sem querer menosprezar a sua contribuição importantíssima para a divulgação da FC internacional, a verdade é que, nas centenas de títulos editados durante os cinquenta anos de actividade, não encontramos um único autor português, e só em 2006 é que uma brasileira, Márcia Guimarães (A Conspiração dos Imortais), consegue romper este impenetrável crivo editorial. Se o mesmo resultou de decisão consciente do director de colecção, ou se os manuscritos submetidos (porque decerto os haveria) simplesmente não eram considerados como tendo qualidade suficiente face às obras estrangeiras, é algo que se desconhece. Mas não deixa de ser sintomático, e pouco abonatório para a produção nacional, que nunca um português tivesse sido incluido na mais antiga e prestigiada colecção de FC do país, numa época em que o incentivo teria certamente produzido efeitos benéficos para o desenvolvimento do género. E por sinal, ou talvez por herança, quase todas as outras outras colecções que se viriam a impor durante a década de 80 seguiriam a política das portas fechadas — apenas uma ousou quebrar a tendência.

Só com o surgimento, no final dos anos 80, de uma iniciativa ímpar no espaço nacional, a de um prémio bienal destinado a originais de ficção científica e fantástico — atribuido pela primeira vez em 1985, a par de um idêntico prémio para originais na área do policial —, e que daria azo ao início de uma colecção regular, dirigida pela mão de Belmiro Guimarães sob a chancela da Editorial Caminho, é que os autores portugueses encontrariam finalmente um espaço de acolhimento regular numa editora sólida e de prestígio.(...)»

8 comentários:

Ricardo disse...

Ó Luís então marcas o lançamento logo para o mesmo dia do Bruce Holland na FNAC do Chiado? É sempre a mesma treta, ou está-se um ano à míngua ou escolhem todos no mesmo dia, à mesma hora em locais diferentes. Assim não brinco!

Luís Filipe Silva disse...

Pois, parece ser a sina de quem faz algo neste país. Mas os organizadores do FF deram-me a escolher: ou quinta feira durante a tarde, ou quinta feira lá mais para a tardinha. Ou algures noutra hora na quinta feira. Os outros dias estavam cheios. E pensando que o resto da malta tem de trabalhar para comer, tal como eu, e logo horários de trabalho inflexíveis, escolhi quinta às 19.00, sempre poderia aparecer alguém... o que é uma pena, pois também queria ver o Bruce...

Ricardo disse...

O melhor dos dois mundos seria talvez ter o Bruce noutro dia no FF2007.

O problema desta abordagem é que não sei de horários nenhuns relativamente ao FF2007, tirando este que aqui anuncias, e não faço ideia alguma se seria possível adquirir in loco o livro dele no FF2007 pagando a multibanco ou VISA, coisa que na FNAC não ponho em dúvida.

Luís Filipe Silva disse...

Bem, isto poderá ser talvez divulgar de mais, mas sei que vai haver um espaço de venda de livros e que o Bruce vai participar numa mesa redonda no sábado de manhã (comigo, relacionada com ficção curta). Fora isso, o melhor é perguntares aos organizadores.

Ricardo disse...

Sim, vamos aguardar serenamente pela agenda.

A par do lançamento da antologia, outro foco de interesse para mim no FF2007 será o lançamento do livro do Barreiros.

Suponho que em parte já respondeste mas... suponho que se possa adquirir a antologia quer no FF2007 quer online (dado ter ISBN e tal). Certo ou errado?

Luís Filipe Silva disse...

Sim, o meu objectivo é vender a antologia no FF, mas essencialmente aceitar encomendas para despachar o livro até ao Natal (contrangimentos de alfândega e gráfica). Ou seja, depois anunciarei isto melhor, mas é possível, por uma questão de conciliar horários, que haja um lançamento posterior, em foro mais alargado e a melhor hora. Mas isto ainda é segredo...

Gabriel Boz disse...

Luis Filipe meu caro, excelente prefácio. Vc não tem idéia como eu gostaria de estar presente nesse lançamento...Mas mesmo com um oceano de distância, minha comemoração será a mesma, com um bom vinho português sendo aberto as 19:00 do dia 8 ;) Um grande abraço - Boz

Luís Filipe Silva disse...

Obrigado, Gabriel. A ideia do vinho é óptima, a ver se os organizadores do FF colocam algum na mesa, para ajudar a ler... ;)

(E quem sabe se em breve não se poderá fazer um lançamento paralelo no Brasil? Isso também eu gostaria.)

Grande abraço
LFS